Nenhum Comentário

Como funciona o pagamento das férias remuneradas?

Consulte as regras da CLT e entenda como funciona o pagamento das férias

Os trabalhadores de qualquer setor devem tirar férias anualmente: trata-se de um direito trabalhista e, mais que isso, de algo essencial para que a saúde mental e física do profissional seja preservada.

Ainda que seja uma coisa comum para quem trabalha como CLT, as férias suscitam dúvidas com relação à sua duração e a quanto o trabalhador tem direito a receber.

Compreenda, a partir deste artigo, como funciona o pagamento das férias.


Quando o trabalhador está apto a receber suas férias?

Toda pessoa que tem um vínculo empregatício não pode sair de férias antes de completar um ano na empresa.

A partir de quando o primeiro ano está completo, o empregador pode começar a planejar quando dará as férias àquele funcionário.

Esse planejamento é muito necessário para o empregador: com menos gente, o departamento pode ficar com serviço atrasado e haver prejuízo para os clientes.

Desse modo, a empresa precisa providenciar um substituto ou remanejar o serviço.

Quando o indivíduo acabou de completar um ano registrado e não tirou férias, não é possível dizer ainda que ele está com férias vencidas: como dito acima, um período de organização da empresa é natural.

A partir de dois ou três meses, já se pode considerar as férias atrasadas.

Como funciona o pagamento das férias remuneradas?


Como funciona o calendário de férias

A regra de ser necessário estar trabalhando há pelo menos um ano registrado para tirar férias só é indiscutível na primeira vez.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Quem tem direito a receber vale refeição?

O vale refeição é uma quantia mensal que o trabalhador recebe para poder se alimentar no horário de almoço ou de janta.

Os empregadores podem oferecer um cartão magnético exclusivo para esse fim ou pagar a quantia em dinheiro e, nas duas situações, existe desconto no salário bruto.

Fique sabendo agora quem tem direito a receber o vale refeição e como ele funciona.


Vale refeição é facultativo

Nenhuma empresa é obrigada, de acordo com as leis trabalhistas, a pagar um valor extra de alimentação para o funcionário.

Dessa maneira, ela escolhe se quer pagar o vale refeição e qual será o valor por mês: em muitos casos, é oferecido refeitório e, em outros, o funcionário fica livre para sair no seu período de almoço ou janta e comprar sua comida, além de poder levá-la.

É necessário esclarecer que se trata de um pagamento facultativo porque muitos trabalhadores se espantam quando o vale não é pago, e alguns até acreditam que o empregador está negando algum direito, não sendo esse o caso.


Quem tem direito a receber vale refeição?

Considerando que esse não é um direito trabalhista, é difícil dizer quem tem direito: essa é uma noção subjetiva da empresa.

Normalmente, quem recebe o vale é registrado como efetivo, mas é comum que as grandes corporações paguem-no até mesmo aos trainees e aos estagiários.

O empregador sempre avisará o trabalhador, na entrevista, se o vale refeição é pago ou não; o próprio anúncio de vaga pode trazer essa informação.

Ressalta-se que, se o gestor disser que não há esse benefício, ele também não é obrigado a fornecer refeitório: a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) diz que o salário já serve para esse tipo de despesa.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Quem tem direito a receber vale transporte?

Em todo processo seletivo, os candidatos ficam sabendo quais serão os benefícios que receberão e o vale transporte está dentre os principais.

Afinal, nem todo trabalhador tem carro e a parcela que utiliza o transporte público sabe que o seu valor é bem pesado.

Entretanto, é possível achar quem não receba esse benefício, mesmo que tenha a carteira registrada.

Aprenda agora quem tem direito a receber vale transporte, se há regra para determinar quanto o empregador precisa pagar e como fazer para garanti-lo.


Como funciona a legislação sobre o vale transporte?

A lei que trata do fornecimento de vale transporte é a 7.619 de 1987 e ela garante que qualquer trabalhador que ateste necessidade tem o direito de receber o vale transporte.

Porém, a empresa pode optar por transportá-la ela mesma: é por isso que muitas oferecem o ônibus fretado.

Dependendo do contrato de serviço, é mais vantajoso para a pessoa jurídica pagar a companhia de ônibus do que depositar certas quantias em dinheiro mensalmente a todos os funcionários.

É devido a essa legislação, inclusive, que as empresas sempre perguntam onde o trabalhador mora, se ele usa transporte coletivo e quantos são necessários para ir e voltar do local de trabalho.

Quem tem direito a receber vale transporte?


Como é feito o cálculo do valor do vale transporte?

A quantia que o empregador tem de pagar e o quanto ele pode descontar do pagamento também são determinados pela lei.

Cada funcionário que opta por receber o vale transporte só pode ter desconto de 6% do salário e, o que faltar para arcar com o deslocamento é de responsabilidade da empresa.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Como funciona o seguro desemprego para demissão por justa causa

Confira as regras estabelecidas nos direitos trabalhistas e saiba se existe seguro desemprego para justa causa

Um trabalhador apenas pode ser mandado embora por justa causa quando o mesmo comete alguma das faltas, que são consideradas graves, previstas na lei.

O importante a entender aqui é que esse tipo de demissão acaba retirando do trabalhador alguns direitos importantes, como é o caso do seguro desemprego. É isso mesmo. Um trabalhador que foi demitido por justa causa não tem o direito de receber o seguro desemprego.

Infelizmente, a demissão por justa causa acaba retirando a possibilidade do trabalhador de receber grande parte das verbas rescisórias que ele teria direito logo depois que deixasse de trabalhar.

Para se ter uma ideia, quando acontece uma dispensa por justa causa, os únicos benefícios que a pessoa pode receber são as férias vencidas acrescidas de um terço de seu valor e o saldo de salário.

Realmente é pouca coisa, não é mesmo? Mas, o que leva um funcionário a ser demitido por justa causa? Veja alguns exemplos logo a seguir.


Motivos de demissão por justa causa

  • Incontinência de conduta – assédio sexual;
  • Desídia – atrasos constantes não justificados;
  • Ato de improbidade – furtar a empresa;
  • Indisciplina – não acatar as ordens do empregador;
  • Mau procedimento – comportamento inadequado perante as regras de conduta social.

É claro que existem ainda outras hipóteses que podem fazer com que um trabalhador seja demitido por justa causa e passe a não ter mais o direito de receber alguns benefícios, como é o caso do seguro desemprego, mas essas são as principais entre elas.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Como funciona o aviso prévio

Entenda como funciona o aviso prévio e saiba as regras que devem ser cumpridas pela empresa e pelo funcionário

O aviso prévio é uma forma de proteção no caso de quebra de contrato e favorece o trabalhador e o empregador.

Apesar de ser conhecido como um direito trabalhista, ele não beneficia só o funcionário: se ele pede a demissão, tem de cumprir determinados dias para que a empresa consiga contratar outra pessoa. Se não quiser cumprir esses dias, eles são descontados.

Por outro lado, empregador que despede alguém precisa dar o aviso prévio para que o indivíduo encontre outro trabalho.

Se não quiser manter o funcionário pelos dias do aviso prévio, terá de pagá-los imediatamente.


Regras do aviso prévio

Desde o ano de 2011, os funcionários e empregadores têm utilizado um aviso prévio atualizado e que beneficia financeiramente quem é mandado embora sem justa causa.

A empresa tem de pagar um mês de remuneração (o que já era estabelecido antes de 2011), mas também pode incluir 3 dias a cada 365 trabalhados.

É simples solicitar o aviso prévio: a pessoa tem de contatar o seu chefe ou o RH e comunicar que quer começar esse aviso para deixar a empresa. Normalmente, os empregadores determinam se querem que o indivíduo cumpra o horário integral até a sua saída (o que é mais provável) ou se haverá um horário flexível.

Se é a empresa que vai demitir, ela tem de contatar o colaborador e acertar os horários do aviso prévio, inclusive se ele será indenizado ou trabalhado.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Como funciona o aviso prévio indenizado

Entenda as regras do aviso prévio indenizado e veja o valor que você tem direito a receber

Quem trabalha com carteira assinada sabe da existência de várias leis trabalhistas, tanto para beneficiar o empregador quanto o funcionário.

Uma delas é o aviso prévio indenizado, que tem certas diferenças do aviso prévio tradicional.

Para começar, este último significa que o trabalhador continuará na empresa por até 90 dias, tendo horário diversificado, a fim de que o local ache um substituto.

Porém, no aviso prévio indenizado, esse período de trabalho não é cumprido, sendo substituído por um pagamento ou por um desconto.

Um funcionário que pede demissão e não quer mais continuar na empresa nem mesmo para cumprir o aviso prévio pode abrir mão do seu salário daquele mês e receber apenas os demais direitos: essa é uma das versões do aviso prévio indenizado.

Outra configuração desse tipo de aviso prévio ocorre quando a empresa demite a pessoa e prefere que ela saia em vez de cumprir os 90 dias.

Isso pode acontecer por desentendimentos pessoais, por já haver um substituto, etc.

O funcionário demitido vai receber pelo mês e pelos demais direitos, mas precisará sair da empresa naquele mesmo dia.

Em ambas as situações, fica visível porque se usa o termo “indenizado”: porque existe um pagamento para que nenhuma das partes tenha prejuízo.

É mais comum que esse tipo de aviso prévio parta do funcionário: ele pode já ter outro emprego ou estar tão chateado com alguma situação que não queira mais continuar nem um dia no local de trabalho.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Como funciona o aviso prévio trabalhado

Tem dúvidas sobre o aviso prévio trabalhado? Veja todas as informações neste texto

O aviso prévio trabalhado é um dos trâmites trabalhistas mais importantes para que o empregador tenha certa segurança. Ele significa que o funcionário deseja sair do emprego e que trabalhará por até três meses, tempo durante o qual a empresa poderá encontrar outro colaborador.

Ele é diferente do aviso prévio comum, que é dado pela contratante e que serve para que o funcionário possa buscar outro emprego. Além disso, o aviso prévio comum não precisa ser dado quando se trata de demissão por justa causa.


Aviso prévio trabalhado pela CLT

O aviso prévio dessa natureza está inserido nas leis trabalhistas, ou seja, o cidadão que comunica à empresa que deseja se desligar tem de cumprir esse período.

Por outro lado, é possível que a empresa e o funcionário escolham um tipo de aviso prévio onde este último fica em casa: essa é uma modalidade que a lei trabalhista não reconhece e que, dessa maneira, não dá garantias a nenhuma das partes.

Por causa disso, fazer questão do aviso prévio trabalhado é um caminho melhor para o trabalhador.

Como funciona o aviso prévio trabalhado


Aviso prévio trabalhado pagamento

As pessoas que se desligam da empresa recebem a sua rescisão sempre quando o aviso prévio trabalhado termina.

Importante dizer que os empregadores têm de depositar esse valor, ou pagar em mãos, no primeiro dia útil depois que o aviso prévio trabalhado terminou.

Uma observação importante é que os trabalhadores que não respeitam o aviso prévio trabalhado não recebem a sua rescisão integral, já que a empresa ganha o direito de fazer descontos.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Quem tem direito a receber o adicional de insalubridade

O Adicional de Insalubridade é um direito dado ao trabalhador exposto a trabalhos que são nocivos à saúde. Segundo a CLT, atividade insalubre é aquela cujo trabalhador fica exposto a perigos contra a saúde acima dos níveis fixados pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O status de insalubridade é definido caso o colaborador fique em contato com agentes nocivos à saúde durante as horas de trabalho, pode ser pela natureza, pela intensidade ou pelo tempo de exposição a esses agentes.

O Ministério do Trabalho e Emprego define quais são os agentes nocivos e os graus de tolerância. Os mais comuns são os ruídos, radiações ionizantes e agentes químicos/biológicos.

O empregado a fim de comprovar que o ambiente é insalubre, deve pedir ao RH ou ao sindicato de sua categoria de trabalho a realização de uma perícia técnica no local.

Quem tem direito a receber

adicional-insalubridade-quem-tem-direito

No 1º parágrafo do artigo 195 da CLT, é facultado aos empregadores e aos sindicatos dos profissionais fazerem o requerimento ao Ministério do Trabalho para realização de uma perícia técnica. Esta avaliação é feita por um médico ou engenheiro do trabalho, que devem estar registrados no MTE.

Empregos noturnos dão direito ao adicional de insalubridade, no entanto, o trabalho deve ser executado entre 22h da noite até 05h da manhã do dia seguinte para ser enquadrado em condições insalubres.

Em caso de atividade rural, o expediente noturno é considerado aquele que é trabalhado entre 21h e 05h do dia seguinte, isso em áreas de lavoura. Na pecuária, o horário muda de 20h até 04h do dia seguinte.… Clique aqui para ler o artigo completo

Nenhum Comentário

Como funciona o adicional noturno

Algumas categorias de profissionais possuem o direito de receber um valor extra junto com o salário no final do mês, o chamado adicional noturno. Isso acontece quando o trabalhador exerce a sua atividade no horário compreendido entre às 22h de um dia até às 5h do dia seguinte.

Para entender melhor, a hora normal de um funcionário tem 60 minutos. Já no caso do horário noturno, essa hora passa a ter 52 minutos e 30 segundos. Ou seja, levando em consideração que uma pessoa trabalha das 22h até às 5h da manhã seguinte, o cálculo fica em sete horas normais do relógio, e oito horas de trabalho na contagem acima. O valor a ser pago, conhecido como adicional noturno, equivale a 50% sobre essas horas trabalhadas.

E assim como ocorre no trabalho diurno, os profissionais que trabalham à noite precisam sempre contar com um intervalo para as refeições, que pode variar de acordo com as horas trabalhadas.

Por exemplo, os profissionais que trabalham até quatro horas por noite não têm direito a essa parada. Já aqueles que atuam de quatro e seis horas por noite, o intervalo é de 15 minutos. Nos casos em que o número de horas supera esse tempo, o intervalo pode chegar a até duas horas.

Como fazer o cálculo do adicional noturno

adicional-noturno-como-funciona

Como mencionado acima, uma hora de trabalho noturno equivale a 52 minutos e 30 segundos da hora de relógio normal. Sendo assim, para calcular o valor a que o trabalhador tem direito a receber no horário noturno é preciso:

1.

Clique aqui para ler o artigo completo

2 Comentários

Quem tem direito à Licença nojo

Você já ouviu falar sobre a Licença nojo? Essa expressão ainda é pouco conhecida pelas pessoas, talvez porque esteja relacionada a um momento delicado da vida. Trata-se da licença dada ao trabalhador cujo algum parente tenha vindo a falecer.

Este nome bastante curioso nada tem a ver com o modo que costumamos usar no dia-a-dia para demonstrar repulsa ou rejeição a alguma coisa. Na verdade, ele representa uma situação desagradável, bem como o momento de luto em que a família está enfrentando pela perda de uma pessoa próxima.

Quem tem direito a pedir a Licença nojo

licenca-nojo

Durante o período determinado pela Licença nojo, a empresa é impedida a descontar qualquer valor do salário do funcionário por conta da ausência, e esse direito está previsto em lei.

Porém, é necessário observar quem tem direito ao afastamento. Somente as pessoas que perderam cônjuge, mãe, pai, filho ou irmão podem pedir a licença (esse último caso não vale para professores que atuam em regime de CLT).

Além disso, existem características diferentes para funcionário privado e servidor público, sobretudo em relação ao tempo de duração. Entenda o que muda nos dois casos.

Tempo de duração para funcionário privado

De acordo com os direitos trabalhistas, o empregado de empresas privadas pode ficar em casa por um período de até dois dias consecutivos. Isso vale para falecimento do cônjuge, pai, irmão, ascendente, descendente ou de alguma pessoa que seja citada como dependente. Neste prazo não está incluída a data de óbito.

Para entender melhor, basta levar em consideração o seguinte exemplo: suponha que Marina é casada com Carlos e trabalhe como secretária em uma empresa privada.… Clique aqui para ler o artigo completo